Sabemos que o Brasil é um imenso celeiro de nacionalidades, crenças, culturas e religiões e por isso mesmo é muito comum vermos cerimônias de casamento diferentes, com diversas tradições e costumes. Muito parecido com a cerimônia de casamento católica por ser uma dissidência do catolicismo, o casamento ortodoxo é um dos rituais do sacramento mais bonitos e repletos de significados, porém toda a celebração é muito simples. A religião ortodoxa é predominante em alguns países da Europa Ocidental, como Rússia, Grécia, Arábia e Eslovênia.
Toda a cerimônia de enlace matrimonial é realizada seguindo os preceitos do antigo rito bizantino, e durante todo o cortejo e também enquanto os noivos cumprem todas as tradições, um coral conta diversas canções ortodoxas para celebrar o momento especial e marcante para os nubentes. Para os ortodoxos, o casamento é algo tão significativo que, assim para os católicos, é um sacramento. Por esse motivo, a simples presença dos noivos não requer que os noivos digam o famoso e esperado “sim” no altar. Aliás, se o casal desejar, pode haver a presença de um ou mais padres, inclusive com o auxílio de arcebispo.
De acordo com os rituais do casamento ortodoxo, os noivos são coroados como reis na sua própria casa, local que deverão saber governar com discernimento e sabedoria. E governar não significa apenas administrar um lar, mas também saber conviver com paciência, tolerância, amor, cumplicidade e companheirismo, passando apenas bons exemplos para as futuras gerações. Logo após, acontece a leitura da epístola, do evangelho e a reza do Pai Nosso, para então, os nubentes receberem as bênçãos e beijarem o evangelho.
O momento da troca de alianças também é muito bonito e curioso: para os ortodoxos o casamento é representado pela aliança no dedo anular da mão direita e o noivado, na mão esquerda. No Brasil, foi acatada a ordem inversa para casamentos brasileiros. Apesar de toda a simplicidade, observar-se que esse tipo de celebração tem um significado muito especial, que é a união com base no respeito, na candura e na naturalidade dos sentimentos.