Dentre todas as enfermidades de trato ginecológico, os cistos de ovários estão entre as mais comuns doenças da mulher. Existem vários tipos de cistos ovarianos, sendo que o mais frequente são os cistos funcionais. Eles aparecem em mulheres em idade fértil e durante os períodos menstruais, desaparecendo com o tempo. Os cistos funcionais se assemelham a bolhinhas constituídas de líquidos, que se formam a partir do funcionamento normal dos ovários. No caso dos cistos ovarianos funcionais, não há necessidade de tratamentos, e quando retém muito líquido, passando da medida de dois centímetros, é denominado de cisto folicular. As formas mais comuns de cisto de ovário são: cisto funcionais, cistos dermóides, endometriomas, cistoadenomas e cistadenocarcinomas.
Os cistos dermóides são caracterizados por conter em sua estrutura elementos como cabelos, unhas, ossos e outros materiais produzidos pelo corpo humano que acabam sendo absorvidos pelo próprio organismo. Invariavelmente, podem se transformar em tumores malignos. Por isso, o tratamento mis indicado para esse tipo de cisto é a intervenção cirúrgica. Os endometriomas, conhecidos como cistos de chocolate, aparecem na maioria das vezes quando o endométrio se adere ao ovário. No caso dos cistoadenomas, são tumores benignos que se desenvolvem a partir das células que recobrem o ovário, sendo extirpadas em tratamento cirúrgico. Os cistadenocarcinomas são carcinomas, ou tumores malignos, que na maioria dos casos necessitam de intervenção cirúrgica e tratamentos complementares, como a quimioterapia.
Em muitos casos, os cistos não apresentam nenhum tipo de sintoma característico, mas quando surge, a mulher sofre sensações de desconforto que envolvem dores abdominais, irregularidades no período da menstruação, dores durante o período menstrual e fortes incômodos durante as relações sexuais. A melhor forma de descobrir a doença é visitando regularmente o médico ginecologista. Os exames de toque são essenciais para detectar a doença, com o uso de outros exames como ultra-som e a ultra-sonografia transvaginal. O tratamento para cistos ovarianos, com exceção do funcional, é realizado com base na cirurgia e cada tipo de cisto, dependendo também do seu tamanho, é que definirá o grau de intervenção adequado. Hoje já é mais necessário fazer grandes cortes para retirar as formações císticas. A laparoscopia é uma forma menos invasiva de retirá-las, com pequenas cicatrizes, utilizando pequenas incisões para a retirada dos folículos.