A dismenorréia, mais conhecida como cólica menstrual, é uma das principais queixas das mulheres quando vão ao consultório médico. Para algumas mulheres, a cólica menstrual é tão forte, que fica praticamente impossível realizar as tarefas mais comuns do dia-a-dia, como trabalhar, ir à faculdade, passear, fazer compras no supermercado e até mesmo levantar da cama! Mas essa dor tão incômoda pode ter duas causas distintas: ela é primária quando não existe uma causa orgânica e secundária quando é ocasionada por alguma doença que precisa ser investigada pelo médico ginecologista através de exames apropriados.
A menstruação é uma forma de o organismo da mulher limpar o útero que foi preparado durante o ciclo menstrual, caso houvesse a fecundação do óvulo. O organismo então faz com que o útero se contraia para liberar a quantidade exata de sangue, sem que haja algum tipo de hemorragia. Essa contração é gerada por uma substância denominada prostaglandina, que causa a dor durante as contrações do útero. Portanto, para se combater a dor, é necessário tomar medicamentos que tenham o efeito de bloquear essa substância.
A dor de cólicas menstruais mais branda causa um certo desconforto, sensação de peso nas pernas, inchaços e dores de cabeça, mas esses sintomas podem ser facilmente controlados com medicamentos receitados pelo médico ginecologista. Mas se as dores forem mais fortes, a ponto de impedir a realização de tarefas básicas, então é hora de procurar um especialista no assunto e fazer alguns exames para descobrir a real causa da dor excessiva. Algumas doenças ocasionam uma dor forte na região muitas vezes, sendo confundidas com uma dismenorréia primária. São elas: endometriose, miomas, alterações nos ovários, cistos, pólipos, uso do DIU e más formações uterinas.
No caso da dismenorréia primária, para amenizar as dores mais fracas, medicamentos antiespasmódicos e até anticoncepcionais resolvem o problema, mas a dismenorréia secundária deve ser averiguada pelo médico, pois muitas vezes procedimentos cirúrgicos são a melhor alternativa para se resolver de vez o problema. Atividades físicas, alimentação saudável e uso de compressas quentes são outros procedimentos que sempre dão bons resultados para se amenizar a dor.