Em grande parte das vezes, para quem perdeu os dentes, o implante dentário pode ser uma ótima solução para ter de volta um belo sorriso, com dentes fortes e funcionais, prontos para a mastigação. A falta de alguns, ou de todos os dentes, para a grane maioria das pessoas é motivo de vergonha e também um mal para a saúde bucal, pois sem a dentição não é possível ter uma mastigação perfeita. Sem contar que a alegria nunca pode ser expressa com um largo sorriso, afinal, quem gostaria de mostrar a “janelinha”? Antigamente, a opção para quem perdia os dentes era mesmo ficar sem eles ou usar a famosa dentadura.
Hoje, com tanto técnica aplicada à odontologia, o paciente pode ter seu sorriso de volta com os implantes dentários, caracterizados por pinos de titânio afixados no osso mandibular, abaixo da gengiva, no caso da dentição superior. Afiados aos pinos ficam os dentes de resina, produzidos pelo dentista ou por um protético especializado. Vale ressaltar que quando esse tipo de tratamento odontológico surgiu, o procedimento era bem mais caro. Mas agora já existem várias clínicas e dentistas especializados no assunto e o implante deixou de ser assunto só dos mais abastados. Praticamente todas as pessoas podem recorrer a esse método para ter seus dentes de volta, mas a técnica só tem algumas contra-indicações com relação a pessoas com algum tipo de problema cardíaco.
É importante ter e mente que para fazer o implante de dentes não existem chances de rejeição, uma vez que o pino é feito de titânio, material inerte ao osso mandibular. Por isso, nosso organismo nem sente que algo foi colocado no osso. Quem sofreu perda de osso mandibular, muitas vezes, precisa fazer um enxerto no local antes de realizar o procedimento de implante dental. Mas a cirurgia é relativamente, simples, sem dor, pois o paciente recebe anestesia local e pode ser liberada no mesmo dia, sem maiores complicações. No caso de carga imediata, dentes provisórios são colocados nos pinos no mesmo dia da cirurgia, mas normalmente os dentes definitivos só são inseridos com cinco a seis meses da cirurgia.