O mioma é uma doença de trato feminino, caracterizado por tumores uterinos benignos (não cancerígenos) na parede do colo do útero. São chamados também de fibromiomas ou leiomiomas e se desenvolvem na parede muscular do útero. Algumas vezes são doenças assintomáticas, mas, dependendo do seu tamanho e da localização podem causar algum tipo de sangramento, hemorragias e dores abdominais. Na verdade, os miomas são os tipos de tumores mais comuns entre as mulheres, mas nem todas sabem que convivem com eles em grande parte dos casos, a doença nem precisa de ser tratada. Isso acontece apenas quando a mulher começa a sentir um grane desconforto, só então é que um procedimento cirúrgico é indicado.
Ao perceber algum sintoma de mioma, como sangramentos e fortes dores abdominais, a mulher deve procurar seu médico ginecologista o quanto antes para fazer alguns exames, entre eles o mais indicado para diagnosticar um caso de mioma é o ultrassom. Só depois da avaliação médico, é que o ginecologista poderá prescrever o tratamento para mioma. Acredita-se que a predisposição genética aliada à sensibilidade em relação a hormônios como o estrógeno podem desencadear o surgimento de miomas no útero feminino. E após alguns estudos sobre o caso, os médicos descobriram haver cerca de quatro tipos e mioma: o intramural, o pediculado, os submucosos e os subserosos.
Os miomas do tipo intramural são a forma mais comum da doença, causando dores e sangramentos. São desenvolvidos na parede do útero e se expandem para fora, aumentando o tamanho do órgão. Os miomas submucosos estão abaixo do revestimento do útero, também conhecido como endométrio. Mesmo sendo pequeno, esse tipo de mioma pode gerar grandes hemorragias. Os subseroros surgem e se desenvolvem abaixo da camada serosa da pele, conferindo ao útero uma aparência nodular. Não acarretam grandes alterações no fluxo menstrual, mas podem causar dores incômodas. Já o mioma pediculado, inicialmente, cresce como sendo do tipo seroso, mas depois fica preso apenas pelo pedículo, confundindo-se com um tumor de ovário.
Alguns sintomas do mioma mais comuns são: dores no baixo ventre, aumento do fluxo menstrual, período menstrual mais prolongado, dores durante o ato sexual, pressão do sistema urinário, pressão do intestino grosso e aumento das cólicas menstruais. Até alguns anos atrás, os únicos tratamentos para a doença era a intervenção cirúrgica ou supressão hormonal, pois o hormônio estimula o crescimento do tumor. Atualmente já é possível a embolização dos miomas uterinos, um procedimento que faz com que o tumor “murche”, sem ser necessária cirurgia para a retirada dele. É, sem dúvida, um método menos invasivo e, portanto, menos dolorido para a mulher.